30.9.16

Se eu quisesse repetir modelos...


... digam de vossa justiça, que eu considero as opiniões dos xuxus. Até podem achar que eu não ligo e não respondo, mas estou sempre atenta às opiniões que vão deixando. Clientes ou não, estou convicta de que representam uma excelente amostra de mercado.

Perguntava eu, se na minha marca ROS Beachwear quisesse repetir algum destes best sellers no verão de 2017, em qual deles deveria apostar? A pergunta vai para o modelo, não para o padrão, os padrões e cores destas imagens devem ser desconsiderados, apenas o modelo está em causa.

Estive esta semana na fábrica, se gostaram da colecção deste ano, os padrões de 2017 são de babar, é uma colecção totalmente tropical. Estou ansiosa pelo próximo verão, sinto pulgas para mostrar tudo, anseio por opiniões fora do meu círculo, mas ainda falta tanto!

 
Praia do Guincho


 
Praia de Porto Covo


 
Praia dos Salgados

 
Praia Verde


 
Praia do Ancão



SHARE:

29.9.16

Gostei e comprei #34




Há umas semanas atirei-me às compras. As lojas estão cheias de peças giras das novas colecções e eu sinto-me uma miúda numa loja de doces sem moedas no bolso. Tudo o que são peças inferiores sinto que não vale a pena comprar. E vi calças tão giras, snhiff!

Perdi-me de amores por esta camisa, mas entretanto tenho-a visto em tudo o que é blogues de moda. Eu já nem vejo a versão branca online (mas havia muitas em loja), pelo que suspeito que a camisa se tenha tornado um fenómeno de compras.

A camisa é 100% algodão com bom toque e muito parecida a uma mistura de linho e algodão. Quando dizem que a camisa é oversized, é mesmo, tive de correr o directório e encontrar um tamanho XS que lá encontrei na ZARA do Dolce Vita Tejo. A camisa tem um óptimo preço de 23,95€, recomendo!

No site acho a camisa muito feiosa, não olhava duas vezes para ela, mas ao vivo é realmente muito gira!



Camisa com estrelas, ZARA, aqui
Calções de grávida, H&M
Sandálias ROS LISBON, aqui
Mala ROS LISBON, aqui


SHARE:

28.9.16

Gravidez: toda a verdade #2


Ao fim de uns dias de saber que está grávida, o que faz uma mulher? Escarafuncha o Google com mil e uma questões. E nisto brotam mil e um fóruns com perguntas e respostas.

Recomendação honesta: fujam.

Juro que todas as mulheres de QI negativo estão nestes fóruns. E pior, dão conselhos umas às outras.

Eu havia de compilar as coisas que já li do género: "estou com corrimento amarelado mas ainda não faltou o período e não quero gastar dinheiro num teste, as mamãs acham que estou grávida?" ou não saberem fazer a leitura do resultado de análises ao sangue, acharem que estão para morrer e colocar questões no fórum às «mamãs», pedindo palpites em vez de contactar o médico assistente.

Um mundo, xuxus, é um mundo à parte!
SHARE:

27.9.16

Pernas bronzeadas o ano inteiro



Protector solar de rosto, SPF 30, CAUDALÍE
Jambes Divines, CAUDALÍE


Há pessoas que sofrem de um grande drama: precisam de 10 meses de verão para conseguir bronzear as pernas. A minha mãe é um exemplo disso. Já eu, o difícil é bronzear na cara, nas pernas é um tirito.

Este ano foi uma excepção, um verão cheio de trabalho, quase não fiz praia com o lançamento da ROS Beachwear, foi sempre a trabalhar, pelo que ganhar cores bronzeadas foi uma coisa mal conseguida, um assim-assim e já fui com sorte. Mas confesso que adoro essas cores, sinto-me com melhor aspecto, sinto-me mais bonita, sinto até que a roupa fica melhor.

Não sendo fã de auto-bronzeadores (nunca fica bem!) e ser frequentadora de solários está fora de questão, descobri este creme da Caudalíe, o Jambes Divines, uma loção com cor especialmente formulada para as pernas. O melhor: é espalhar, secar e vestir. Para tirar, sai tudo no banho, não há riscos de ficar às manchas sem ter como voltar atrás.

Embora possa parecer muito castanho na mão, depois de colocado o creme dá uma leve cor bronzeada, com aqueles ares de sun-kissed. Tem uma cor castanho-dourado que dá para todos os tons de pele, seca rapidamente e não mancha.

Mas recomendo técnica! Para ter a certeza que fica bem espalhado, recomendo que a pele esteja esfoliada e hidratada. Depois de o hidratante do costume estar seco, podem espalhar o Jambes Divines (eu uso umas luvas para ter a certeza que não se mete dentro das unhas, embora saia tudo com água) e depois de seco é só vestir a roupa. Desta forma evitam que zonas secas de pele e gretadas (para quem as tem) acumule mais creme e fique feio.

Não sei como fazem, a roupa não fica manchada, os lençóis também não, mas no banho sai tudo. Nunca usei noutras zonas do corpo, mas para dias de festa, ocasiões mais especiais, pernas difíceis de bronzear ou cores de verão que se vão, este creme é um óptimo aliado para ganhar alguma cor sem parecer que as pernas são de uma pessoa e os braços de outra.

O creme e feito à base de óleo de uva e extracto de Alfarrobeira. Cerca de 93% dos ingredientes são de origem natural e não é testado em animais. Está à venda nos espaços habituais, o frasco é enorme e custa cerca de 20€ (ou 25€, já não me lembro).

Este post NÃO FOI encomendado pela marca.





SHARE:

Saber o sexo antes das ecografias - parte III


Saber o sexo antes das ecografias - parte I, aqui
Saber o sexo antes das ecografias - parte II, aqui


E depois de ter contado como foi para mim fazer o teste de sangue para descobrir o sexo do bebé e como foi contar ao homem (links acima), chegamos agora à parte dos outros. Temo que vá ter leitoras a cortar relações comigo, mas vamos à verdade, nua e crua:

Não existe, mesmo, maneira de descobrir o sexo sem ser por análise de sangue (mesmo assim sujeita a uma taxa de erro) ou através de ecografia (que convém que seja num avançado estado de gestação e mesmo assim sujeita a uma taxa de enganos).

Percebi, cedo, que os portugueses (portuguesas, vá!) têm uma enorme necessidade de adivinhar o sexo de um bebé que está barriga. É uma coisa que me causa imensa estranheza. Se é evidente que eu pergunto o clássico "é rapaz ou rapariga?", o que acho normal e já me perguntaram muitas vezes, quando não há resposta para dar as pessoas têm de adivinhar. É uma necessidade, uma força maior que se apodera delas, invade-nos um olho clínico e talento sobrenatural, é coisa que vê para lá da barriga.

E o pior é que isto de adivinhar é uma coisa com uma taxa de sucesso de 50%, temos uma coisa ou outra, o que significa alta probabilidade de acertar e, com isso, ninguém põe fim a estes "eu só de olhar vejo logo o que é!".

Lamento a desilusão. Não existe, mesmo, maneira de descobrir o sexo sem ser por meios médicos. Não há palpites que valham, o que existe é uma alta probabilidade de acertar. Perdoem a minha visão prática da coisa se vos desiludo.

Vamos a mitos:

O calendário chinês (alguém havia de poupar o mundo a essa ignorância) funciona tão bem como as pessoas que "adivinham" o sexo (probabilidades de 50%). A relação entre o mês que engravida e a idade da mãe é mesmo coisa para definir o sexo de um bebé? Não façam isso às pessoas, a sério. Além disso, parece que há tabelas para todo o gosto. E não digam "para mim bateu certo", não há nada naquela tabela que tenha evidência científica, é uma coisa ou outra, logo, alta probabilidade de ser uma delas.

O jogo da linha e da agulha ou do cabelo na aliança, sim, já todas fizemos isso com as amigas e são uns minutos de diversão. Mas aquilo é um jogo, altamente sugestivo e eu não vou ter quatro filhos, esqueçam isso. Além disso, sempre aprendi que quando andava à volta era "sinal" de rapariga, mas diz que afinal é "sinal" é de rapaz. No fundo é para todos os gostos, mas o que é mesmo de certeza é uma brincadeira.

Olhar para a barriga com super poderes. Perdoem se vos parto o coração: não há, mesmo, nenhum formato que defina se uma barriga é de rapaz ou rapariga. Mas mesmo! Eu sei, era uma ajuda enorme da Mãe Natureza, íamos todas gostar, mas não é verdade. Há barrigas para todos os formatos e não correspondem a nenhum sexo em particular. O mesmo acontece com barrigas altas ou baixas. Durante a gestação a barriga sobe e desce, esqueçam isso.

Analisar os enjoos. Sempre ouvi dizer que se não dá enjoos é rapaz e se dá enjoos é uma rapariga, mas isto é tudo um mito, OK? Não faltarão mulheres grávidas quer de rapazes, quer de raparigas, disponíveis para afirmar se tiveram ou não tiveram enjoos. Esqueçam isso.

Os doces e os salgados. Dizem que se a grávida tem desejos de doces é rapariga e se tiver desejos de salgados é rapaz. Mais um mito que significa que eu vou ter um hermafrodita, pois passei dos salgados no primeiro trimestre (nem podia ver doces e o chocolate enjoava-me) para passar a querer doces.

Os mitos também têm a dar opinião sobre o estado da pele do rosto da grávida: se tem a pele bonita é rapaz, se está com a pele em obras será uma rapariga, pois supostamente as raparigas "sugam a beleza da mãe". Com certeza haverá muita grávida capaz de afirmar se tiveram ou não a cara em obras durante gestações de rapaz ou rapariga. Estou em crer que isso tem a ver com a tendência para o acne com tantas alterações hormonais. Eu nunca tive problemas nem na adolescência, se calhar muitas das grávidas tiveram no passado e voltaram a ter enquanto grávidas.

Há uma história maravilhosa de "adivinhar o sexo do bebé" que aconteceu com uma amiga minha há uns bons anos.

Amiga, mulher bem sucedida, muito trabalhadora até ao fim da gravidez, barriga de 3º trimestre, apresenta-se para dirigir uma reunião na empresa onde trabalha, numa daquelas salas de reuniões sérias, com mesas grandes, onde estavam reunidos trabalhadores e fornecedores ou clientes, não sei bem.

Um homem, de fora da empresa (fornecedor ou cliente, não sei) mete conversa com a minha amiga:

- Então está grávida?
- Pois é! - diz toda contente.
- E já sabe se é rapaz ou rapariga? É que eu adivinho sempre!
- Adivinha? Então diga lá!
- Aposto que é uma rapariga.
- Isso mesmo, é uma rapariga! Como é que sabe? - pergunta cheia de curiosidade.
- É que quando são raparigas as mulheres ficam mais feias.

Não é uma história maravilhosa?

Mitos à parte, existem meios médicos com alta probabilidade de sabe o sexo de um bebé, mas 100% certeza só quando o bebé nasce. Tudo o resto são mitos e probabilidades de 50% em acertar que, convenhamos, se o EuroMilhões fosse assim, até eu jogava.

Ainda me lembro de um amigo, médico cirurgião, que ia ter um rapaz. Ah, o homem feliz da vida, um rapaz em todas as ecografias. No dia do parto, assim que o bebé sai, até fica a bater mal com o colega de hospital a dizer "e aqui temos uma linda rapariga!". E resto desta história foi todo um outro filme.


SHARE:

26.9.16

Marcas nacionais no Brand Studio



Marquem na agenda, dia 1 de Outubro, Sábado, é dia de rumar às Galerias do Hotel Ritz em Lisboa, onde vos aguarda uma montra de marcas nacionais escolhidas a dedo, com venda ao público.

Muitas marcas nacionais trabalham através de lojas online. Sabendo a It's About Brands que os consumidores preferem uma experiência de compra com contacto físico, decidiram dar início ao projecto de criar uma enorme montra de marcas que geralmente se encontram na internet, nascendo assim o Brand Studio.

É apenas um dia de vendas, das 12H às 21H, com o objectivo de mostrar marcas "a sério". A It's About Brands estudou os mercados nacionais e percebeu que se misturavam marcas portuguesas de qualidade com marcas que não são mais do que uma soma de produtos encomendados de outros mercados, como da China. 

Nas galerias Ritz o Brand Studio pretende separar o trigo do joio e mostrar apenas o que vale realmente a pena.

Mais info aqui. Marcas que queiram participar, aqui.


SHARE:

Um dia mato este gajo #67


Uma destas noites, no escuro, com dificuldade em adormecer, meti conversa com o pai da criança também sem sono à vista:

- Já pensaste que um dia a tua filha vai ter gajos atrás dela?
- Pára com isso.
- E vai usar soutien e dar beijos de língua?
- Pára!
- Qual é o teu stress? Quando eu tinha 17 anos puseste as mãos nas minhas maminhas!
- Eras uma porca.
SHARE:

23.9.16

Saber o sexo antes das ecografias - parte II


Saber o sexo antes das ecografias - parte I


Eu queria muito ter uma rapariga. Mesmo. Eu posso vir a ter rapazes, mas eu queria ter pelo menos uma rapariga, só uma, era um desejo enorme desde sempre caso viesse a ter filhos.

Mas depois olhava à minha volta, constatava que só nasciam rapazes e quase nada de raparigas. Além das minhas relações pessoais serem 80% a 90% de gravidezes para rapazes (tem sido incrível), verificou-se este ano que a turma da minha sobrinha é uma vergonha, praticamente não há miúdas, estão em evidente minoria.

Por curiosidade, fui consultar o PORDATA e verifica-se:

- Em 2011 nasceram 47.021 rapazes para 44.679 raparigas.
- Em 2012 nasceram 43.840 rapazes para 41.466 raparigas.
- Em 2013 nasceram 40.100 rapazes para 38.506 raparigas.
- Em 2014 nasceram 40.393 rapazes para 37.919 raparigas.
- Em 2015 nasceram 41.561 rapazes para 39.713 raparigas.


Queria uma herdeira, alguém que calçasse os meus sapatos e quisesse vestir os meus bikinis, uma vaidosa que se orgulhasse e interessasse pelo meu trabalho, alguém que, quem sabe, pudesse desenvolver gosto no que faço e querer participar, mas achava tudo isso altamente improvável, eram desejos a mais. Então procurei mentalizar-me desde o teste de gravidez que iria ter um rapaz. Pensava que tenho tido tanta sorte na vida que não ia ser correspondida no meu desejo quanto a este pedido, eram demasiados pedidos.

Trabalhei a minha cabeça, mentalizei-me, convenci-me, procurei sempre imaginar que seria um rapaz. Fiz o teste de sangue logo às 8 semanas como contei neste texto e que permite saber com 99% de certeza o sexo do bebé. Aguardei que me contactassem a dar o resultado.

Dias depois de ter retirado sangue, ligaram-me, estava sozinha em casa, ninguém por perto. Só eu sabia que tinha ido fazer o teste e o pai da criança achava que iria fazer só na semana seguinte. Naquele momento, com a chamada em linha, o meu coração disparou, era agora! Feita a introdução da chamada e todas as explicações, suspirei, pedi "então vamos a isso" aguardando pela resposta do lado de lá, fechei os olhos para concentração e aguardei ouvir o resultado.

Estava mentalizada para um rapaz, era o mais provável, mas tinha em mim aquela pequena esperança persistente. E então ouvi:

- O resultado é "sexo feminino", uma menina.

Abri os olhos de espanto. Teria ouvido mal? Pedi à senhora para confirmar, confirmou. Eu devo ter respondido com a voz mais feliz do mundo do outro lado do telefone. Agradeci a chamada e despachei o assunto para poder estar sozinha.

Tapei a boca com a mão de tal surpresa. Era o eu queria, mas mal acreditava. Eu quis tanto, mas mentalizei-me para rapaz para evitar a desilusão. Afinal teria uma rapariga como desejava.

Em toda a gravidez nunca senti alterações hormonais. Zero. Nunca fiquei mais sensível ou mais enervada, nunca me revelei um pain in the ass, não fiquei chata, não fiquei de lágrima fácil, o meu feitio não se alterou e, na verdade, se alterações houvesse a registar, seria de boa disposição. Ando tão contente e bem disposta com o mundo que quase sou capaz de gostar de animais (quase, não abusem).

Mas naquele momento em que fiquei sozinha com a minha filha na barriga foi o único momento em toda a gravidez que chorei, de tão feliz que fiquei. Era de felicidade. Oh, céus, até tenho vergonha de admitir isto, detesto sentimentos e descontrolo emocional, não é nada meu sempre tão dura, mas foi o que aconteceu.

O PAM não estava comigo, estava fora em trabalho, regressaria em dois dias. Não ia ligar para contar a novidade por telefone, achava uma tristeza. Então, fui a uma loja, comprei um vestido branco de bebé (a única compra que fiz), mandei embrulhar e no dia em que ele chegou voei para lhe entregar o embrulho.

- O que é isto?
- É um presente para ti!

Abriu, tirou um vestido de tamanho mínimo, olhou e perguntou:

- O que é isto?

Aaaai, vida! É preciso explicar tudo!

E ele que toda a vida tinha dito que o sexo lhe era indiferente, naquele momento percebeu, ele e eu, que afinal não lhe era indiferente. Li perfeitamente o seu inesperado sentimento de desilusão. Se calhar eu estava tão convencida que ia ser rapaz que também ele se convenceu.

- Mas o que eu que eu faço com uma rapariga? Não vai jogar à bola, não vem aos jogos comigo...

Queria um compincha de carrinho na mão e saiu todo um cenário cor-de-rosa com bonecas. Mas agora com o tempo, já o vejo a assimilar a ideia e com grandes instintos protectores.

(continua)



SHARE:

22.9.16

Saber o sexo antes das ecografias - parte I


Para saber se ia ter rapaz ou rapariga, fiz o teste de sangue que determina o sexo do bebé. Chama-se "teste de determinação de sexo fetal", não é barato, custa 95€ (a quem interessar fiz nos laboratórios Joaquim Chaves, mas existem outros laboratórios), basta tirar sangue do braço tal como fazemos para outras análises, aguardar entre três e cinco dias, até que recebemos uma chamada do laboratório a dar-nos a novidade e, horas mais tarde, enviam o documento com o resultado por email.

Para fazer este teste é preciso ter 8 semanas ecográficas, o que pode não coincidir com as nossas contas de gestação. Portanto, temos de ter em conta o que o médico dita e a partir das 8 semanas ecográficas o teste dá uma taxa de certeza de 99%, mais ou menos como nos testes de ADN.

O teste funciona por exclusão de partes. A mulher grávida de um rapaz, tem cromossomas Y a circular no sangue (que desaparecem algumas horas após o parto). Por exclusão de partes, a mulher grávida que não tem cromossomas Y, estará então grávida de uma rapariga. No entanto, não deve fazer este teste quem possa ter recebido em algum momento da vida uma transfusão de sangue ou um transplante que, por poder ser de um dador masculino, o teste poderá dar um resultado errado.

Quando são gémeos, a presença do cromossoma Y indica que pelo menos um deles será rapaz (embora possam ser os dois), a total ausência indicará que são duas raparigas.

Eu não estava disposta a esperar por ecografias: "ai, que é rapariga!", "não, afinal é rapaz!" e andaria nisto que tempos. E mesmo, na última ecografia, apesar de eu já ter o resultado há que tempos, perguntei se dava para ver o sexo e a médica respondeu errado.

Fiz o teste em absoluto segredo. Entre família e amigos, não havia vivalma que soubesse que eu estava grávida (nem a minha mãe), quanto mais saberem que me preparava para fazer um teste destes. Ao pai da criança, disse que ia fazer, aldrabei-o nas contas, fi-lo pensar que ainda teríamos de aguardar uma semana e fui fazer o teste sem ele saber.

Quando me contactaram a dar o resultado, eu estava sozinha.

(continua)




SHARE:

21.9.16

Sossegai, eis o sexo da criança!




Teremos herdeira! 

SHARE:

20.9.16

Qual será o sexo da criança?



video


♫ ♫ ♫ O que será? O que será a minha criança? 
Eu sei lá, sei lá! Eu sei lá, sei lá! ♫ ♫ 


Melhor definição aqui.
SHARE:

19.9.16

Gravidez: toda a verdade #1



À esquerda uma bexiga normal, à direita a minha bexiga, também conhecida por "ervilha".

Durmo mal, mal, mal! É infernal acordar umas quatro ou cinco vezes para fazer xixi, até porque algumas das vezes o cérebro desperta e o sono só regressa duas horas depois. Sim, literalmente, já estive mais de duas horas a entreter-me para voltar a adormecer, não é força de expressão. Enquanto isso, passeio no telemóvel, pelo que não se espantem com respostas no FB às quatro da matina.

Não consigo estar deitada de barriga para baixo, não consigo estar de barriga para cima, não fico bem sob o lado direito, fico ligeiramente melhor do lado esquerdo mas acabo dormente.

Tenho uma barriga mínima. Se isto é assim agora, no fim do 3º trimestre vou enlouquecer.

Servirá esta nova rubrica para as coisas menos bonitas que ninguém fala, algumas desconhecia por completo, são uma surpresa (tipo cotonetes no rabo). A estreia deste post é muito soft, só para quebrar o gelo.

Nota: as gravidezes não são todas iguais, o que eu sinto pode não ser sentido por outra grávida. Aliás, pelo que comparo eu estou é muito bem, nem me devia queixar.

SHARE:

16.9.16

Um dia mato este gajo #66

De manhã, umas 6h, estou de insónia a olhar para o tecto. Como que vindo de um magnetismo, ele abre os olhos, vê que estou acordada e eu choro-me:

- Tenho fome…
- Tens fome?
- Traz-me um iogurte.

Lá vai ele (tão querido), diligente e eficiente. Traz-me um iogurte líquido e estica o braço para me entregar.

Olho para a embalagem sem lhe pegar, com ares de nojo:

- Não está aberto??!
- Pronto, pronto, eu abro.


Estou a adorar esta fase!
SHARE:

15.9.16

Going to the movies: "The Jinx"




Não é bem ir ao cinema, mas é uma série de seis episódios que descobri por acaso na TVC2 e que têm mesmo de agarrar!

Estão a ver o Making a Murderer? Imaginem uma série semelhante, mas no sentido inverso, em que em vez de se perguntarem "como pode ser este gajo condenado?", perguntam-se "como é que este gajo ainda não foi apanhado?".

Três mortes à volta de um homem rico de NY. Podre de rico, inteligente, esquisito e cheira-me, como muito génios inteligentes, com grandes desvios e falhas no que respeita comportamento social. Três mortes praticamente em cima dele e um sistema judicial americano estranhíssimo.

Existirão crimes perfeitos? Nervos! Vão ver!
Trailer aqui.


SHARE:

14.9.16

Coisas que aprendi com a gravidez #2


Vão aparecer mulheres que nunca recuperaram de uma gravidez (já as crias com dentição completa), que se deixaram desmazelar, sem nunca terem recuperado do peso ganho, sempre a dar ares de que não pensam nisso (mas infelizes quando o espelho ou um dia para uma roupa mais especial lembra disso), desejosas de ter "companhia" nesse insucesso para poderem apontar o dedo: "vês? Ela também não conseguiu recuperar!". Uma espécie de "não estou sozinha", um desejo de ver outras arrastadas na mesma situação para conforto pessoal.

Olham para nós de sorriso triunfante "heim, gordinha?!" e eu a ouvir aquilo sem ter ganho 100gr. Na verdade, depois de ter perdido peso com os enjoos.

Olho para aquelas barrigas de 9 meses sem bebé lá dentro com vontade de desmontar a malícia de gaja mal resolvida, perguntando: "e tu, é para quando?".

***

ADENDA: Nota posterior: parece que não estão a compreender o texto e estão a ler uma crítica a mães que não conseguem recuperar a figura. O meu texto não tem absolutamente nada a ver com mulheres que não conseguem recuperar o peso ou a figura. Isso é com cada mulher, não existe da minha parte nenhuma crítica a isso, ZERO!

O meu texto tem a ver com a malícia de mulheres que querem mandar umas alfinetadas, desejando que a grávida fique desfigurada para se sentir melhor com ela própria. O texto não tem a ver com excesso de peso ou magreza, tem a ver com o carácter de desejar a outra pessoa "tomara que embaleies" para conforto pessoal.

Fico parva que escreva sobre um episódio em particular que aconteceu comigo, onde senti maldade e receba agora comentários dizendo que estou a criticar mulheres que não conseguiram recuperar a figura e que não gostam do corpo de agora. Por favor, menos! Eu só posso fazer votos que as mulheres se sintam consigo próprias o melhor possível, até por mim!



SHARE:

13.9.16

Cursos pré-parto, sim ou não?


Andei a investigar na net se os cursos pré-parto valeriam a pena ou não e fiquei na mesma. Queiram auxiliar esta mulher perdida.

Não estou muito preocupada com o parto em si, toda a gente o faz com ou sem técnicas e desconfio que chegada a altura, a prática do curso não é imprescindível. A mim o que me interessa são as técnicas com bebés, os banhos (tenho medo que quando ainda é muito pequeno me escorregue como um sabonete), truques para cólicas, cuidados para garantir que a criança resiste, segurança, etc. Não sou leiga na matéria, convivo com bebés desde criança, tomei conta de pequenos vezes que não é possível contar, não são bichos raros para mim, mas para o homem acho que deve valer a pena e eu posso sempre aprender alguma coisa.

MAS!, costuma haver um mas, as páginas que consultei são de tirar a paciência a uma grávida como eu. Anuncia-se a gravidez como a melhor fase da vida de uma mulher, eis a realização pessoal, o nirvana da vida, nada será melhor do que isto, o amor imenso e a família a aumentar e mimimi. Ah!, os corações no ar, casais dos cursos fotografados tentando abraçar-se abarcando a barriga pelo meio, fotos do pai a dar beijinhos na barriga e... é uma dinâmica que não vai dar p'ra mim!



Existem cursos que valham a pena, em que se aprenda de forma científica sem floreados à mistura?

O que aprenderam nos cursos?

Quanto custa um curso? Parecem as páginas de facebook que vendem bugigangas: escondem os valores, ninguém pode saber!

Quanto tempo leva um curso destes? Dá a sensação que se prolonga por um semestre inteiro e eu preferia uma coisa intensiva de 48H, zás, trás, pás, do tipo "está feito, segue a tua vida e não te esqueças do que aprendeste. Se tiveres dúvidas envia um mail".

Percebi que os Centros de Saúde têm este tipo de cursos, é capaz de ser uma vertente mais técnica com menos obrigação de os pais nutrirem e exibirem muito amor pela criança que ainda não nasceu, ou não?

Existe a possibilidade de cursos privados para não ter de lidar com os estranhos que amam demais?

O que ensinam no hospital é suficiente?

Desculpem se vos parece insensível, mas eu sou uma pessoa prática, iria para ganhar conhecimentos, não para fazer amigos, tirar fotos pirosas (que quereria esconder), nem para aprender a amar muito o bebé. Quero ganhar conhecimentos, coisas técnicas, factos, cenas científicas, é só isto.


SHARE:

12.9.16

Going to the movies: "Sully"




"Sully" ou "Milagre no rio Hudson" é tão bom que me faltam as palavras.

Andava há meses e em pulgas para ver o filme, desejosa mesmo e o filme não desiludiu. De tantos filmes que existem envolvendo a aviação, diz quem percebe do assunto que o filme é fiel à realidade do tema, sem invenções. Fiel aos factos só poderá confirmar quem lá esteve, mas segundo o próprio Sully, o filme parece ser verdadeiro no que respeita à descolagem, amaragem e salvamentos, sem grandes desvios para vender bilhetes.

Preparem-se para se colarem à cadeira, para serem consumidos e absorvidos. Na noite em que vi o filme, de cada vez que acordava para ir ao WC (cenas de grávida), pensava imediatamente no filme, ainda me faziam eco na cabeça as frases marcantes, o "this is the Captain. Brace for impact". Via tudo outra vez sem pestanejar. É de certeza um filme que voltarei a ver um dia.

O filme é para ver no cinema, não esperem para ver em casa.
Trailer do filme aqui.


SHARE:

I love home style #13







Arrumação! Estantes! Umas atrás das outras!

Queria tanto fazer isto de uma ponta à outra da sala. Mas convencer o homem...

SHARE:

9.9.16

I love fashion #13



Anunciam as revistas que a Natalie Portman está grávida.

Que vestido tão, tão, giro! 
Versão grávida ou não grávida, este vestido ia direitinho para o meu closet.

SHARE:

Coisas que aprendi com a gravidez #1

Sem uma análise estatística rigorosa, vou atirar que 80% das pessoas (sobretudo as que são menos próximas) sabem tudo o que é adequado a uma gravidez. Sabem o que fazer, o que não fazer, o que comer, os medicamentos, os suplementos, é todo um curso de medicina e especialização quer em obstetrícia quer em pediatria que sai do bolso como um fogo de artifício. Toda aquela informação vomitada deixa a pessoa dividida entre sorrir amarelo e o latejar no cérebro daquela frase do Rei de Espanha: "por que no te callas?".

A grávida não tem paciência e não quer saber. Guardem.
SHARE:

8.9.16

Ah, nem apresentei a criança, perdoai!



Eis a criança, já treinando o aceno real!


Eu e o PAM agradecemos todos os comentários, sois uns xuxus! Lemos um por um 

Foi engraçado ver como as pessoas reagiram à novidade. Verdade seja dita, não facilitámos. Em casa da minha mãe, com as minhas irmãs, calei-me, levei a minha sobrinha para uma sala à parte, mostrei a foto da ecografia, disse que tinha um bebé na barriga e pedi-lhe para ir contar a todos que estavam na sala. Pôs-se a andar e disse: "a tia Nana tem um bebé na barriga!".

Gritos. Silêncio interrompido pelas nossas gargalhadas. Seria verdade?

Vindo de mim era altamente improvável, mas por outro lado a miúda não inventa coisas destas. E pior, uns dias antes o PAM tinha "confessado" à minha mãe que tínhamos finalmente decidido não ter filhos, o que levou ao discurso "pronto, não têm obrigação, o que é preciso é que sejam felizes".

No dia a seguir a minha mãe ainda ligava dizendo "não sei se acredito...". Quanta falta de fé em mim!

A mais tocante reacção foi do padrasto do PAM que desatou a chorar, soluçando sem conseguir falar, o que nos deixou realmente comovidos e atrapalhados. Teve de desligar e mais tarde voltou ao contacto mais composto, "já consigo falar!".

Os meus primos (e somos muitos) foram explosivos de felicidade, nunca pensei. Enviei para o nosso grupo de WhatsApp um vídeo da minha sobrinha a contar a novidade, foi uma sensação! Mas muitos, grande parte, também duvidaram, pegaram no telefone e perguntaram "é mesmo verdade??!". E foi aí que percebi que ninguém tinha fé em mim há décadas.

Ontem publicámos nas páginas de facebook pessoais. A mesma história dos mais próximos: "isto é verdade?". Quanta descrença!

Nunca escrevi que não queria ter filhos (houve alguns comentários nesse sentido). Escrevi que não adoro crianças, o que mantenho (mas estou a contar gostar da minha criança) e escrevi que não sabia se algum dia quereria ter filhos (o que não é a mesma coisa que afirmar "nunca vou ter filhos").

E não me enganei, nunca soube se queria efectivamente ter bebés, não tive nenhum chamamento, nenhum instinto maternal súbito, não aconteceu nada. Eu sei que seria perfeitamente feliz sem filhos, ainda que me suscitasse a dúvida "e se um dia me arrependo e é tarde demais?". No entanto, o PAM não seria feliz sem filhos, eu sabia isso.

Mas mais do que por mim, mais do que uma vontade pessoal, no meu coração isto foi planeado sobretudo para realização dele e, espero, acabará por ser uma realização também minha.

De resto, o blogue não vai virar creche, sou um género anti-cristo da maternidade. Não virei "extremosa", mas nunca se sabe se me tolda o cérebro. Continuo a não gostar de crianças em restaurantes que não são apropriados para crianças, a preferir hotéis sem crianças, não me babo à passagem de carrinhos com bebés, nem me debrucei em quartos e roupas e listas de coisas que é preciso (na verdade não tenho uma única coisa tratada, não consultei um livro nem tenho ansiedade para tratar dessas coisas), não me comovo com histórias de nascimentos e faço planos apenas a dois para quando a criança já tiver pelo menos meio ano, conforme seja um bebé fácil ou difícil, tudo depende do que me vai sair na rifa.

Mas confesso que saber o sexo (que vou manter em segredo mais uns dias) trouxe uma nova realidade à coisa. Foi como se o bebé se tornasse mais concreto, mais gente, até faço festinhas na barriga.


SHARE:

7.9.16

A foto mais aguardada


(Clicar para aumentar fotografia)


Ah, novidades! 
Estou a autorizar os gritos de espanto.

A foto carece de alguma explicação, eu não estou com esta barriga toda. Na verdade espetei a barriga para a foto, de outra forma tinha muito pouco para mostrar. Há aqui uma pequena aldrabice, mas é com boa intenção!

Nas fotos que tenho publicado nos últimos dias vêem-me com a mesma roupa de sempre porque tenho andado com a mesma roupa de sempre. O bebé leva 4 meses na barriga e eu ando com a mesma roupa, sem abrir botões sequer, tudo tranquilo. Gosto deste registo de uma barriga do tamanho de uma ervilha, que assim se mantenha!

Às fotos que vou enviando em frente ao espelho, os meus primos dizem que ando a enganar o mundo sobre a gestação e que tenho apenas prisão de ventre. As minhas semanas de barriga por comparação a outras mulheres é de facto pequenina, mas é exactamente como eu sempre quis e foi assim que pude esconder a gravidez durante tanto tempo. A minha mãe e família souberam apenas há cerca de 10 dias porque decidimos contar, mas ainda me safava ao segredo por mais uns tempos!


SHARE:
© A Maçã de Eva

This site uses cookies from Google to deliver its services - Click here for information.

Blogger Template Created by pipdig